NOVA ÁGUIA | Filosofia & Cultura Lusófona

PVP: 12,90 €
Internet: 11,61 € (-10%)

FILOSOFIA DO RITMO PORTUGUESA

Rodrigo Sobral Cunha


Seguido de um estudo de Gaston Bachelard sobre A Ritmanálise de Lúcio Pinheiro dos Santos

Porque chamaria Platão, fiel a uma tradição órfica e pitagórica, música à filosofia?

Partindo da Monadologia rítmica de Leonardo Coimbra e da Ritmanálise de Lúcio Pinheiro dos Santos (que Gaston Bachelard apresentou à Europa e ao Novo Mundo), a ciência poética da razão rítmica atlântica, aberta a todo o saber, surge como um neopitagorismo criacionista que experimenta o universo como permanente invenção de harmonia.


Algumas publicações do autor:
“Giambattista Vico e Europa: Ciência da Lira e das Nações” (texto concebido para o colóquio de filosofia Pensar a Acção, realizado a 11 de Dezembro de 1999 na Universidade Católica de Lisboa e publicado em Gepolis – Revista de Filosofia e Cidadania, nº 6, Lisboa, Universidade Católica Portuguesa, 1999; revisto e reeditado, por ocasião do centenário da República Portuguesa, em Nova Águia – Revista de Cultura para o século XXI, 6, Lisboa, Zéfiro, 2010). “Aforismos” (poesia, numa selecção de António Telmo, em Teoremas de Filosofia, Caderno Semestral de Filosofia Portuguesa, Porto, Primavera de 2003). A Teoria Silvestrina da Harmonia do Universo. Homem, Mundo e Deus na Obra de Silvestre Pinheiro Ferreira, Lisboa, Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 2008. “A Filosofia do Ritmo Portuguesa: da Monadologia Rítmica de Leonardo Coimbra a Lúcio Pinheiro dos Santos e a Ritmanálise” (investigação apresentada no I Congresso Internacional sobre o Pensamento Luso-Galaico-Brasileiro (1850-2000), em Outubro de 2007 na Universidade Católica do Porto, em Actas, Vol. III, Lisboa, Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 2009) e “A ritmanálise” (tradução do texto de Gaston Bachelard “La rythmanalyse“ [in La dialectique de la durée, Paris, Boivin, 1936], em Philosophica, Revista do Departamento de Filosofia da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa/ Colibri, Lisboa, n.º 31, Abril de 2008), acções em âmbito do projecto de pós-doutoramento (apoiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia, o Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa e a Unidade de Investigação em Design e Comunicação do IADE) Ritmanálise: um novo modelo de conhecimento. Filosofia do Ritmo Portuguesa (1ª ed.), Vila Viçosa, Serra d’Ossa Edições, 2008. “Sê, para que tudo seja (o som abstracto)” (tradução de um texto do sufi Hazrat Inayat Khan sobre o som da origem do universo, publicado em Cadernos de Filosofia Extravagante, Vila Viçosa, Serra d’Ossa Edições, Março de 2009). A Verdadeira História de Aladino e a Lâmpada Maravilhosa (prefácio de António Telmo, ilustrações de Carlos Aurélio e posfácio de Pedro Sinde), Lisboa, Zéfiro (Colecção Nova Águia), 2009. O Essencial sobre Ritmanálise, Lisboa, Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 2010.

Índice Excerto
Nº de Páginas: 122 | Formato: 14,80 x 21 cm | ISBN: 978-989-677-041-9

DO MESMO AUTOR
 

A VERDADEIRA HISTÓRIA DE ALADINO
E A LÂMPADA MARAVILHOSA


SE GOSTOU DESTE LIVRO, TAMBÉM RECOMENDAMOS


CONGEMINAÇÕES DE UM NEOPITAGÓRICO
António Telmo


O FILÓSOFO FANTASMA - LÚCIO PINHEIRO DOS SANTOS
Pedro Baptista


ITINERÁRIOS DO PENSAMENTO FILOSÓFICO PORTUGUÊS
Maria Celeste Natário

© 2011, Zéfiro - Edições e Actividades Culturais